Conheça mais sobre a graduação em Farmácia e tire suas dúvidas

Quando você pensa no futuro, imagina-se fazendo uma graduação em Farmácia e seguindo a carreira de farmacêutico? Esta é uma pergunta simples, mas que mexe (e muito) com as pessoas. Afinal, escolher uma profissão não se trata apenas de levar em conta o retorno financeiro que pode ser alcançado.

É preciso se identificar com o propósito da área, ter oportunidades reais de crescimento profissional e ser capaz de se sentir realizado com o trabalho feito. Por essa razão, preparamos um artigo completo com os mais diferentes aspectos do ramo da Farmácia para você já começar a se familiarizar com ele e ser capaz de determinar se este segmento é ou não o campo de atuação ideal para você. Acompanhe!

Veja como é a graduação em Farmácia

Neste primeiro tópico, vamos abordar alguns pontos importantes sobre a graduação em Farmácia que não só vão explicar como ela funciona na prática, mas também revelar detalhes curiosos sobre a quantidade de vestibulandos que se matriculam no curso e o número de concluintes que ele tem anualmente. Curioso? Pois confira a seguir!

Duração do curso

Para quem deseja se formar em Farmácia, é indispensável saber que o curso leva, pelo menos, cinco anos para ser finalizado. A maior duração dele quando comparado a outros bacharelados, que costumam ter quatro anos, deve-se à grade curricular e ao número de estágios supervisionados que esta graduação tem — dois aspectos nos quais nos aprofundaremos mais à frente.

Formato das aulas

Embora seja possível encontrar o curso de Farmácia nos formatos EAD e semipresencial, o próprio Conselho Federal de Farmácia (CFF) já indicou que a formação mais adequada para este ramo é a presencial.

Entre os motivos pontuados para tal decisão, estão a necessidade de vivência laboral, da prática de atividades assistenciais, do conhecimento da realidade do Sistema Único de Saúde (SUS) e de integração multidisciplinar com profissionais da saúde dentro e fora do campus — experiências que, segundo o CFF, são indispensáveis para a correta qualificação do farmacêutico.

Inclusive, o órgão já se manifestou por meio de nota pública sobre o assunto. É por isso que o mais comum para este campo de ensino são aulas presenciais, que podem ocorrer tanto no turno diurno quanto no turno noturno.

Estágios supervisionados

Um ponto fundamental da graduação em Farmácia são os estágios supervisionados que ela tem. Ao todo, são feitos geralmente cinco nos dois últimos anos de formação. Eles cumprem o importante papel de permitir a vivência dos campos de trabalho existentes dentro do ramo e de estimular as habilidades profissionais que os acadêmicos devem ter ao se graduarem e entrarem no mercado. Mas não acaba por aí.

Por meio deles, os estudantes podem ter o conhecimento necessário sobre a atuação legal do farmacêutico, os desafios da virologia na atualidade, o empreendedorismo no ramo da Farmácia, os aspectos éticos no ambiente laboral, os impactos da vigilância sanitária no mercado e a aplicação da legislação farmacêutica em políticas públicas de saúde.

Isso tudo, é claro, sem falar da construção de um currículo mais sólido e competitivo, que aumentará as oportunidades de trabalho para eles no futuro.

Média anual de matrículas

Em 2018, como aponta o levantamento de dados do ensino superior no Brasil feito pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), houve um total de 136.254 matrículas no curso de Farmácia, um número bastante significativo dentro da área de saúde, que acumulou 1.505.753 novos estudantes nesse período. Trocando em miúdos, só esta graduação representou 9,04% do total de vagas geradas.

Outro detalhe relevante é que, em 2018, houve 17.743 concluintes do bacharelado em Farmácia em todo o país, enquanto em 2017 a quantidade de graduados foi de 15.874. Ou seja, ocorreu um aumento de 10,54% em apenas um ano.

Saiba quais são as disciplinas estudadas

Ao iniciar uma graduação em Farmácia, tenha em mente que você terá uma matriz curricular densa e que reúne não somente disciplinas teóricas, mas também experimentais e técnicas, que vão demandar um estudo intensivo e contínuo da sua parte para compreender as diferentes atividades e práticas farmacêuticas.

Além disso, você terá o conhecimento necessário para pesquisar e analisar criticamente índices de saúde locais e globais, assim como para lidar com trabalhos científicos sobre composições bioquímicas de medicamentos e afins.

Portanto é interessante pesquisar sobre as matérias e ficar a par dos assuntos abordados nas ementas delas. Abaixo, listamos alguns dos principais conteúdos deste curso para ajudá-lo nessa tarefa. Saiba quais são eles:

  • Farmacologia;
  • Gestão Farmacêutica;
  • Toxicologia;
  • Imunologia Básica;
  • Cuidados Farmacêuticos;
  • Atividades Integradas em Saúde;
  • Análises Clínicas-Laboratoriais;
  • Bioquímica;
  • Bromatologia;
  • Química Medicinal;
  • Cosmetologia;
  • Farmácia Hospitalar;
  • Farmacologia Clínica.

Entenda o perfil do profissional

Toda e qualquer carreira requer características mais bem desenvolvidas e que ajudem o profissional a desempenhar um trabalho mais produtivo e eficaz, comprometido com a ética e que contribua para o clima organizacional, as atividades em equipe e a resolução das demandas da empresa. Abaixo, você confere algumas das que são constantemente acentuadas entre os farmacêuticos. Veja!

Empatia e respeito com o próximo

O farmacêutico desempenha uma profissão que o leva a ter contato diário não apenas com colegas da categoria e outros profissionais da saúde, mas principalmente com indivíduos que estão passando por algum tipo de tratamento medicamentoso. Isso é ainda mais perceptível quando ele atua em drogarias e farmácias hospitalares/ambulatoriais.

Nesses cenários, ele lida diretamente com pessoas que estão abaladas psicológica e emocionalmente, lutando contra enfermidades graves e, em muitos casos, com problemas crônicos com os quais terão de lidar pelo resto da vida. Portanto é de suma importância que o profissional seja capaz de tratar com respeito e empatia toda a sociedade, sem distinções sociais ou movidas por raça, sexo, idade, religião etc.

Domínio da Língua Inglesa

Dominar uma segunda língua pode ser encarado como um desafio para muita gente. No entanto quem deseja seguir a carreira de farmacêutico deve ter em mente que isso é indispensável para o bom exercício da profissão, especialmente se você tem o desejo de atuar na indústria farmacêutica.

Isso porque a produção de medicamentos envolve muito mais do que a manipulação de compostos bioquímicos. Engloba o conhecimento aprofundado sobre conceitos, aplicações, restrições e recomendações éticas e sanitárias. A questão é que muitas das composições de remédios utilizam materiais importados. Logo, sem a proficiência em Inglês, torna-se inviável trabalhar na área.

Interesse pela leitura técnica

Uma terceira característica indispensável para o profissional da área é o interesse pela leitura técnica. Afinal, mesmo após formado e já empregado, você lidará com atividades laborais que exigem o estudo e a pesquisa detalhada sobre fármacos, políticas públicas de saúde, resoluções regionais e nacionais dos conselhos da categoria, levantamentos internacionais sobre epidemiologia etc.

Ou seja, uma leitura que não só é oficial e com embasamento legal, mas que frequentemente também traz conteúdos e dados de cunho acadêmico e científico.

Alto nível de organização

Por último, mas não menos importante, a organização é um ponto-chave na rotina laboral do farmacêutico — e isso não é para menos. Há os protocolos de vigilância sanitária a serem seguidos, as etapas de controle de qualidade dos fármacos, os passos para obtenção de equipamentos e insumos para novas fórmulas químicas, as maneiras adequadas de estocagem, manipulação e repasse de medicamentos e muito mais.

Sem o devido controle e as melhores práticas de autodisciplina, todas essas atividades podem ser prejudicadas, gerando não só atrasos no ambiente de trabalho, mas perdas financeiras e, em casos mais críticos, problemas de saúde pública.

Conheça as possibilidades de atuação do farmacêutico

Ao se questionarem sobre as atividades desempenhadas por um farmacêutico, muitas pessoas logo vão listar a produção de fármacos e a atenção farmacêutica em drogarias. Porém as possibilidades de atuação do farmacêutico vão muito, mas muito além disso, englobando até mesmo funções desconhecidas por grande parte da sociedade.

Isso acontece porque a Farmácia, como destaca o CFF na Resolução nº 572, de 2013, conta com 10 campos de atuação reconhecidos dentro do mercado. Abaixo, você vai conferir quais são eles e entender melhor a respeito das alternativas de carreira que pode seguir ao concluir a sua graduação. Veja!

Alimentos

Muita gente desconhece, mas a Farmácia tem um campo voltado especificamente para os alimentos. O motivo disso é que a indústria alimentícia não se concentra apenas nos aspectos nutricionais dos produtos ao colocá-los nas linhas de produção.

Há diversos processos bioquímicos de origem farmacêutica empregados na produção e no processamento de comidas e bebidas que precisam ser analisados e controlados para garantir não só a qualidade desses alimentos, mas, acima de tudo, evitar potenciais riscos à saúde humana e animal.

Análises Clínico-Laboratoriais

Na área de Análises Clínico-Laboratoriais, o profissional de Farmácia é o responsável por avaliar exames laboratoriais e realizar estudos e investigações a partir das amostras disponíveis para identificar epidemiologias e catalogar o efeito dos fármacos sobre elas.

É um trabalho muito importante não só para determinar o resultado do tratamento, mas também como a ingestão ou utilização dessas substâncias químicas pode alterar e mascarar índices que são analisados por médicos ao confirmar e diagnosticar as mais diferentes doenças.

Educação

A Educação é a área de atuação voltada para o ambiente acadêmico na qual o profissional pode lecionar para graduandos e pós-graduandos em Farmácia, acompanhar projetos acadêmicos e desenvolver linhas de pesquisa e iniciação científica.

Farmácia

O campo da Farmácia, como já é de se imaginar, trata justamente das drogarias e do papel do profissional do ramo nesses espaços, uma vez que ela presta atenção farmacêutica aos consumidores que precisam de fármacos e produtos de saúde, gerencia a comercialização de remédios controlados, administra a medicamentação intravenosa das pessoas etc.

Farmácia Hospitalar e Clínica

A Farmácia Hospitalar e Clínica traz aspectos semelhantes da atuação anterior. Contudo a atuação do farmacêutico é exclusiva dentro dos espaços de saúde públicos e privados voltados para consulta, tratamento e internação de pacientes. Aqui, ele toma a frente dos processos de aquisição, repasse, controle e descarte dos fármacos necessários em cada ala médica, como a pediátrica, a oncológica, a geriátrica etc.

Farmácia Industrial

A Farmácia Industrial, por sua vez, é aquele segmento mais popular e conhecido pela sociedade. Afinal, é ele o que envolve a pesquisa, a produção, a análise sanitária e o controle de qualidade de medicamentos, cosméticos, produtos farmoquímicos e materiais higienizantes que são comercializados no país.

Gestão

Em Gestão, o profissional de Farmácia dedica a carreira aos aspectos administrativos, legais e mercadológicos de drogarias, pastas administradas por órgãos públicos, companhias farmacêuticas, empresas de auditoria e qualidade, farmácias hospitalares e clínicas etc.

Práticas Integrativas e Complementares

O campo de Práticas Integrativas e Complementares costuma causar certo estranhamento em quem não está familiarizado com o nome. Contudo não se trata de algo de difícil compreensão. Longe disso! Basicamente, ele concentra os tratamentos alternativos e as medidas paliativas que são adotados por pacientes para incrementar ou até mesmo substituir o uso de medicamentos convencionais, como a homeopatia e a fitoterapia.

Dessa forma, o farmacêutico se dedica ao estudo, à pesquisa e ao desenvolvimento de novos fármacos que estejam alinhados a eles e que sejam capazes de potencializar as respostas orgânicas a essas práticas.

Saúde Pública

Na Saúde Pública, o formado em Farmácia atua especificamente no Sistema Unificado de Saúde, lidando com a aquisição, estocagem e logística de distribuição de medicamentos por toda a rede de atendimento, o que envolve desde postos de saúde e unidades de pronto atendimento até os hospitais, as maternidades e os institutos de tratamento de câncer.

Para isso, é preciso um conhecimento rico e aprofundado não só em relação às principais terapias ativas e atendidas pelo SUS — e aos fármacos utilizados nelas —, mas a respeito das políticas públicas de saúde e questões orçamentárias do Ministério da Saúde.

Toxicologia

A última especialidade da lista é a Toxicologia, uma área na qual o farmacêutico realiza, monitora e divulga os resultados de análises sobre substâncias tóxicas encontradas em seres humanos, animais ou áreas ambientais.

Dessa forma, é possível identificar infecções parasitárias e virológicas, níveis de poluição nos recursos naturais (água, solo e ar), produtos bioquímicos que induziram indivíduos à morte, componentes de medicamentos, alimentos, cosméticos e afins que estão provocando reações alérgicas e por aí vai.

Entenda o mercado de trabalho da área

Já que falamos sobre o perfil do profissional de Farmácia, que tal abordarmos mais a fundo como está o cenário que o recém-formado encontra ao entrar no mercado de trabalho da área? Para isso, trouxemos vários dados oficiais não somente sobre o setor, como também sobre os locais de trabalho e a média de ganhos da categoria. Confira!

O setor farmacêutico em números

Anualmente, a Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma) divulga um compilado de dados e perspectivas para o setor farmacêutico no Brasil e no mundo. Em 2019, não foi diferente. Segundo o órgão, a indústria farmacêutica faturou R$ 90,2 bilhões em 2018, um crescimento de 65,52% se comparado ao levantamento de 2014, apenas quatro anos atrás, quando ela obteve uma receita total de R$ 59,1 bilhões.

Não é para menos que o país ocupa atualmente a sétima colocação no ranking de maiores mercados farmacêuticos no planeta. Inclusive, segundo estimativas mostradas no relatório, a previsão é de que esse crescimento seja contínuo, levando o Brasil a pular duas posições e alcançar a quinta posição em 2023.

Na prática, isso significa uma expansão significativa das atividades e da cobertura das grandes empresas e laboratórios farmacêuticos em todo o território nacional, o que, inevitavelmente, aumenta a demanda por profissionais da área.

Um efeito cascata que leva à criação de cargos importantes, como os de gestão, controle de qualidade, pesquisa e criação de patentes, com um maior retorno financeiro e mais responsabilidades estratégicas. Algo que, por sua vez, faz com que os farmacêuticos procurem ter uma formação mais completa e segmentada para a área de atuação escolhida.

Renda do farmacêutico

Levando em conta os dados obtidos do relatório Perfil do Farmacêutico no Brasil, idealizado e produzido pelo próprio Conselho Federal de Farmácia, é possível identificar que os profissionais do ramo ganham, em território nacional, entre R$ 2.000,00 e R$ 3.000,00. Já quando se analisa a faixa salarial por região do país, detectou-se que o Norte é o local onde há mais profissionais com ganhos superiores a R$ 5.000,00.

Para se ter ideia, a cada 100 farmacêuticos desta área, 22 têm essa média de vencimento no final do mês — um percentual (de 22%) considerado relevante e que quebra velhos estigmas que insistem em apontar o Sul e o Sudeste como as únicas regiões com mercado de trabalho promissor.

Inclusive, o que o material informativo do CFF aponta é que, quando se trata da área da Farmácia, sempre haverá boas oportunidades e chances de crescimento na carreira, independentemente do local no qual você escolha atuar.

Vale comentar que o documento da instituição ainda vai além e aponta quais os locais de trabalho proporcionam os melhores salários para os farmacêuticos (acima de R$ 5.000,00). Entre eles, destacam-se: os ambientes acadêmicos (63,1%), as companhias privadas (43,6%), os órgãos públicos (38,2%), a indústria farmacêutica (34,2%) e a vigilância sanitária (31,1%).

Saiba como se destacar na carreira de farmacêutico

“Já estou por dentro das possibilidades da carreira de farmacêutico e da formação necessária para me tornar um. No entanto como posso me destacar em um cenário profissional tão diverso e desafiador?”, você deve estar pensando. Por isso, reunimos algumas dicas que vão ajudá-lo. Veja quais são elas!

Estude em uma instituição de ensino de referência no mercado

Ao decidir fazer a graduação em Farmácia, pesquise por uma instituição de ensino superior que conte com uma formação multidisciplinar, com forte incentivo ao conhecimento científico e às iniciativas para a oferta permanente de estágios, como a Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Isso fará bastante diferença na sua qualificação como farmacêutico.

A razão disso é que a Católica oferece programas de pesquisa acadêmica, cursos de extensão, uma plataforma de mobilidade acadêmica para convênios e bolsas no exterior, além de um setor de estágio com parcerias em instituições, empresas e órgãos públicos.

Faça uma pós-graduação

Não basta aproveitar a graduação para ser bem-sucedido como farmacêutico. Pensar isso é bastante equivocado! Tenha em mente que o bacharelado é o primeiro passo para a construção de uma carreira sólida na área.

pós-graduação (MBA, especialização, mestrado e doutorado) é a segunda etapa, aquela que vai expandir o seu conhecimento, colocar você a par das novidades do mercado e aperfeiçoar suas competências laborais.

Afinal, como mencionamos, com um mercado em contínuo crescimento e o número de graduados aumentando ano após ano, será imprescindível ter, como diz o ditado, um trunfo na manga para se destacar nas seleções e nos recrutamentos nas diferentes empresas.

Isso se torna ainda mais vital dentro da categoria de farmacêuticos, pois, como destacado pelo relatório do Conselho Federal de Farmácia já citado no texto, 55,1% dos formados dos profissionais do ramo já são pós-graduados, tendo em vista as atividades muito técnicas desempenhadas na rotina laboral.

Realize cursos de atualização e participe de eventos da categoria

A última dica é realizar cursos livres de atualização que contribuam diretamente para o ganho de conhecimento, aperfeiçoamento técnico e aprofundamento nas tendências do setor farmacêutico.

Também é interessante participar ativamente de jornadas acadêmicas, congressos regionais e nacionais (como expositor e ouvinte), conferências realizadas por companhias farmacêuticas, pelo CFF ou pelo Ministério da Saúde e workshops sobre práticas e atividades relacionadas ao Sistema Unificado de Saúde.

Tudo isso enriquece o seu currículo, complementa os seus estudos de nível superior e demonstra o seu empenho em se manter inteirado das mudanças do segmento e das perspectivas de trabalho na área da Farmácia.

Como você leu, a graduação em Farmácia é bastante desafiadora não só pelo volume de estágios e conteúdos abordados na grade curricular, mas principalmente pela formação ética, legal, experimental e rica em embasamento científico que ela oferece para os estudantes. Por isso, é essencial escolher este curso de forma consciente, para aproveitar tudo o que ele tem a oferecer e se tornar um profissional capacitado para o mercado.

Curtiu o post e ficou ainda mais interessado em fazer Farmácia? Então baixe o nosso e-book sobre planejamento financeiro para investir nos estudos e se programe para iniciar esta graduação o quanto antes!

Comentários