Descubra com este artigo se o curso de Fisioterapia é para você!

Na busca pela qualificação profissional, é comum surgirem dúvidas sobre qual caminho tomar. Por isso, é importante saber o máximo possível sobre cada profissão pela qual você tenha interesse antes de tomar uma decisão sobre a carreira a seguir. Então, se você está pensando no curso de Fisioterapia, precisa saber o que esperar desta área de atuação.

Detalhes como o cenário do mercado de trabalho, o perfil ideal do profissional, o que é abordado durante o curso, quais são as áreas de atuação, entre outros fatores, são de grande utilidade para que você entenda se esta é a carreira ideal para você.

Caso esteja considerando o curso de Fisioterapia, você precisa ler este artigo, que trará todas as informações necessárias para que seja tomada uma decisão consciente quanto a seguir esta linda carreira. Quer conhecer todos os detalhes sobre a profissão de fisioterapeuta? Continue lendo e descubra!

2. O curso de Fisioterapia

Antes de mais nada, é preciso dizer que o curso de Fisioterapia é uma graduação presencial da qual o aluno sai capacitado a cuidar da recuperação dos movimentos dos pacientes e, ainda, a atuar na prevenção e recuperação de lesões musculares.

O curso de Fisioterapia leva, em média, 5 anos para ser concluído. É um bacharelado que tem em sua grade curricular disciplinas como Psicologia, Anatomia, Biologia, Fisiologia, Genética, Neurofisiologia, Patologia, Próteses, Farmacologia, Controle Neural do Movimento, Desenvolvimento Humano, Hidroterapia, Fisioterapia Aplicada à Ginecologia e Obstetrícia, Geriatria, Pediatria, Neurologista, Pneumologia, entre outras.

Uma vez com o diploma nas mãos, o fisioterapeuta precisa providenciar o seu registro no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Crefito), órgão que normatiza e fiscaliza os aspectos éticos científicos e sociais da profissão.

3. O perfil do aluno

Muito além da vocação profissional, o futuro fisioterapeuta precisa saber lidar com as pessoas, ou seja, ter a capacidade de relacionamento interpessoal bem apurada e, mais ainda, gostar disso.

Outra característica importante para esse profissional é a empatia, já que em muitas situações terá de tratar de pessoas que estão psicologicamente sensibilizadas por seu estado de saúde ou por algum acidente grave. Nesses casos, será preciso entender o que o outro está sentindo para ser capaz de lidar com as variações de humor pelas quais o paciente pode passar durante o tratamento.

Além do lado humano, é preciso dar atenção também para a parte acadêmica, já que disciplinas ligadas à saúde, ciências biológicas e anatomia serão a maior parte da grade curricular do curso; portanto é necessário que o estudante tenha alguma afinidade com esses assuntos.

Assim como nas demais profissões, iniciativa, dinamismo e criatividade também são bem-vindos para o profissional de fisioterapia. É muito importante que ele se mantenha atualizado sobre novidades da profissão e saiba como utilizar a tecnologia em favor de seus pacientes.

4. O cenário do mercado de trabalho

O mercado de trabalho para Fisioterapia vem aumentando na mesma proporção que a preocupação das pessoas em levar uma vida mais saudável e com maior qualidade. Antes, o fisioterapeuta atuava mais no tratamento de lesões e doenças já existentes. Hoje, ele atua também preventivamente.

Quanto mais especializado o profissional de fisioterapia for, maior será a abrangência do mercado para ele. Por isso, é preciso ter em mente que a graduação é o primeiro passo e o aprendizado precisa ser constante. É importante investir em pós-graduações e cursos de extensão na área. Especialmente os que estão ligados à terapia intensiva, modalidade que vem se expandindo na fisioterapia.

É importante citar que o fisioterapeuta com habilidades de gestão e capaz de trabalhar em conjunto com outros profissionais de saúde, como o nutricionista ou o psicólogo, terá o mercado ainda mais ampliado, podendo, até mesmo, pensar em empreender, atuando na sua própria clínica.

Além disso, existem diversas áreas específicas de atuação dentro do mercado da fisioterapia. Veremos algumas das principais delas nos tópicos a seguir!

5. As possibilidades de atuação

Assim como nas demais profissões, a fisioterapia também tem as suas especialidades. Para saber quais delas combinam mais com o seu perfil, falaremos mais detalhadamente sobre cada uma das principais. Acompanhe!

Fisioterapia neurofuncional

É a área da fisioterapia que atua no tratamento, prevenção, recuperação, tratamento paliativo ou adaptação às sequelas causadas por problemas no sistema nervoso central ou doenças neuromusculares.

O papel do fisioterapeuta nesta área é avaliar e, a partir do diagnóstico médico, prescrever e aplicar o tratamento mais adequado ao paciente, assim como avaliar o momento no qual não há mais a necessidade de fisioterapia.

Alguns exemplos de problemas que necessitam de fisioterapia como parte do tratamento são as doenças do neurônio motor, Parkinson, paraplegias, entre outras.

Fisioterapia cardiovascular

O fisioterapeuta cardiovascular atua em parceria com uma equipe multidisciplinar na recuperação clínica, psicológica e laborativa do paciente portador de disfunções cardiovasculares. Ele também atua preventivamente, inclusive no pós e pré-operatório de cirurgias cardíacas.

Esta área da fisioterapia abrange o complemento aos tratamentos de doenças cardíacas, como o infarto agudo do miocárdio, miocardiopatia, insuficiência cardíaca, doença arterial obstrutiva periférica, entre outras.

Fisioterapia em acupuntura

Baseada na Medicina Tradicional Chinesa (MTC), que existe há aproximadamente 5.000 anos, a acupuntura é uma área da fisioterapia que induz processos regenerativos no organismo, reforça o sistema imunológico e controla a dor.

A busca pela recuperação do organismo com a acupuntura é feita por meio da inserção de agulhas em pontos estratégicos do corpo humano, com o objetivo de manipular seus receptores energéticos, regularizando o fluxo de energia.

As agulhas utilizadas têm a ponta arredondada e não cortante e são 10 vezes mais finas que uma agulha de injeção, o que torna o processo praticamente indolor, podendo ocorrer, no máximo, uma discreta sensação de um leve choque elétrico que indica a correta ativação da terminação nervosa no ponto trabalhado.

Com a acupuntura, é possível tratar mais de 300 doenças, tais como:

  • resfriados;
  • amigdalite;
  • sinusite;
  • rinite;
  • asma;
  • bronquite;
  • palpitações;
  • ansiedade;
  • depressão;
  • insônia;
  • fibromialgia;
  • enxaquecas;
  • artrite;
  • artrose;
  • dores pós-cirúrgicas;
  • efeitos colaterais da quimioterapia;
  • paralisia facial;
  • dermatites;
  • gastrite;
  • úlceras.

Fisioterapia dermofuncional

A fisioterapia dermofuncional é reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Coffito) como a especialidade que atua na saúde da pele, garantindo a prevenção e recuperação de problemas dermatológicos. Muito comum na área de estética, deve ser exercida por um profissional formado em fisioterapia, com pós-graduação na especialidade.

O profissional capacitado para exercer a fisioterapia dermofuncional será capaz de auxiliar no tratamento de casos como gordura localizada, estrias, flacidez na pele, cicatrizes, queimaduras, pré e pós-cirurgia plástica, úlceras de pressão etc.

É comum a utilização de agentes térmicos, mecânicos, elétricos e fisioterapêuticos por esses profissionais, além de o seu trabalho acontecer em conjunto com outros especialistas, como nutricionistas, endocrinologistas, cirurgiões plásticos, angiologistas, dermatologistas, educadores físicos, entre outros.

Fisioterapia oncológica

A Fisioterapia oncológica tem como principal objetivo a preservação da qualidade de vida dos pacientes com câncer. Ela atua no pré e pós-operatório e também na sintomatologia dos tratamentos não cirúrgicos, como a quimioterapia.

O fisioterapeuta oncológico é parte integrante de uma equipe multidisciplinar que trabalha na recuperação e preservação das funções cinético-funcionais dos órgãos afetados pela doença, assim como na minimização de sequelas e distúrbios desencadeados pelos tratamentos oncológicos.

É essencial que o fisioterapeuta que atua na área oncológica tenha um amplo conhecimento nos mais diversos tipos de câncer, assim como nas suas complicações e em cada um dos estágios e tratamentos, para que seja capaz de traçar o melhor plano terapêutico a fim de melhorar a qualidade de vida do paciente sem prejuízos para o tratamento.

Fisioterapia traumato-ortopédica

A Fisioterapia traumato-ortopédica trabalha na reabilitação de fraturas, traumas, entorses, luxações, contusões musculares, amputações, lesões por esforços repetitivos, além de outras patologias ortopédicas que envolvem ossos, músculos, articulações e ligamentos.

Seu objetivo é o alívio da dor, a redução do quadro inflamatório, o restabelecimento da circulação sanguínea, a recuperação de movimentos, o aumento da força muscular, reeducação postural, restauração do equilíbrio, entre outros problemas.

Trata-se de uma das áreas da fisioterapia com maior demanda de profissionais, já que uma enorme parte da população apresenta, ao menos, um problema ortopédico capaz de interferir na execução das atividades do seu dia a dia, comprometendo a saúde e qualidade de vida.

Fisioterapia em gerontologia

Reconhecida pelo Coffito desde o final de 2016, a Fisioterapia em gerontologia é uma área em plena expansão, com uma demanda cada vez mais crescente, graças à tendência ao aumento da longevidade humana que está sendo ocasionada pelos avanços tecnológicos na medicina e indústria farmacêutica.

A Fisioterapia também tem papel relevante nesse cenário, já que ela atua no atendimento ao idoso, em busca da prevenção e reabilitação das consequências trazidas das alterações fisiológicas causadas pelo avanço da idade.

Um dos principais objetivos desta especialidade da fisioterapia é o de promover a independência funcional da pessoa idosa. Sua abordagem é humanizada e tem como enfoque amenizar o processo do envelhecimento sem, no entanto, deixar de preservar as particularidades do idoso e respeitar a sua história de vida.

Fisioterapia do trabalho

Com a tendência cada dia maior de valorização da qualidade de vida no ambiente de trabalho, a fisioterapia do trabalho tem ganho mais espaço no mercado. A preocupação das empresas com a saúde dos seus colaboradores tem servido como alavanca para esta área de atuação.

O papel do fisioterapeuta do trabalho é o de prevenir e tratar lesões causadas pelas atividades desempenhadas pelo trabalhador e pela ergonomia, ou falta dela, no ambiente laboral. Ele elabora estratégias capazes de prevenir a ocorrência de lesões e acidentes.

Tudo isso envolve a aplicação da reeducação postural, a prática de exercícios laborais, a melhoria ergonômica, além de métodos para reinserção de trabalhadores que foram afastados por problemas físicos.

Fisioterapia esportiva

A Fisioterapia esportiva é a especialidade responsável pelo tratamento, recuperação e prevenção de lesões causadas pela prática esportiva. Ela visa, especialmente, a preparação física dos atletas, não necessariamente profissionais, que praticam esportes regularmente.

Além de prevenir o desgaste excessivo do tecido muscular e das articulações, o fisioterapeuta esportivo também auxilia o atleta lesionado para que consiga uma recuperação mais rápida e consequente retorno antecipado ao esporte, por meio de métodos específicos e do acompanhamento da evolução do tratamento médico.

É importante que o fisioterapeuta esportivo conheça bem cada modalidade de esporte e suas necessidades específicas, pois somente desse modo será capaz de estabelecer os métodos adequados que devem ser aplicados na prevenção de lesões durante cada tipo de prática esportiva.

Terapia intensiva

Esta área da Fisioterapia atua no acompanhamento de pacientes em estado crítico, que estão recebendo cuidados em unidades de terapia intensiva. Toda a assistência prestada pelo fisioterapeuta é baseada em diretrizes médicas, visando à avalização adequada do melhor procedimento a ser aplicado para reduzir o potencial de risco para esse tipo de paciente.

Geralmente, sua atuação consiste na aplicação de técnicas fisioterapêuticas voltadas aos cuidados com a via aérea artificial e manuseio de tecnologias de ventilação, o que exige um alto nível de treinamento especializado.

Além do suporte respiratório, é possível que o fisioterapeuta que atua em terapia intensiva tenha necessidade de lidar com pacientes com limitações motoras graves e outras condições que exijam conhecimentos mais profundos e específicos, além de atualização constante sobre os recursos tecnológicos aplicados nesse tipo de acompanhamento.

Devido a sua alta complexidade, a atuação do fisioterapeuta de terapia intensiva vem ganhando cada vez mais importância, tanto em estabelecimentos de saúde quanto em serviços de home care.

Quiropraxia

A quiropraxia é uma especialidade da Fisioterapia reconhecida pelo Coffito desde 2001. No Brasil, existem apenas 394 profissionais especializados em quiropraxia registrados e, em alguns estados do país, eles nem sequer estão presentes. Portanto há ainda muito espaço para quem deseja seguir esta área.

Esta especialidade da fisioterapia tem como objetivo a liberação do fluxo neurológico por meio de ajustes, especialmente na coluna vertebral, para o tratamento de desordens no sistema neuro-músculo-esquelético, como ligamentos e tendões.

Ela proporciona, por meio de ações terapêuticas, o alívio de dores nas costas e no pescoço, torcicolos, hérnias de disco, entre outros sintomas incômodos.

Saúde da mulher

Mais uma especialidade da Fisioterapia reconhecida pelo Coffito, a fisioterapia em saúde da mulher (FISM) tem a função de cuidar do ciclo vital feminino da infância até a terceira idade, incluindo a gravidez, o parto e o pós-parto.

A FISM abrange cinco áreas principais da saúde da mulher, que são a assistência fisioterapêutica em uroginecologia e coloproctologia, ginecologia, obstetrícia, mastologia e disfunções sexuais femininas.

A Fisioterapia em saúde da mulher atinge resultados como a melhoria da qualidade de vida de pacientes com câncer ginecológico ou de mama, auxilia em uma experiência de trabalho de parto menos dolorosa e mais gratificante, além da reabilitação durante o pós-parto.

Saúde preventiva

A Fisioterapia na medicina preventiva atua em programas relacionados a todas as áreas citadas até o momento, como a esportiva, gerontológica, saúde da mulher, ergonomia no ambiente de trabalho etc.

Ela combina equipamento, métodos e exercícios capazes de prevenir os mais diversos tipos de lesões ocasionadas pelas atividades exercidas pelo paciente, como a prática de esportes, além da prevenção de sintomas e sequelas de alguns tipos de doenças e seus respectivos tratamentos.

Esta modalidade da Fisioterapia traz benefícios como o aumento do condicionamento físico, maior consciência corporal, redução de riscos de lesões e fraturas, reeducação postural, melhoria nas funções cardíacas e respiratórias, melhor circulação sanguínea e linfática, redução do estresse e aumento da autoconfiança e da qualidade de vida.

Portanto é uma área da fisioterapia bastante abrangente e gratificante para o profissional que atua nela.

Indústria e equipamentos fisioterapêuticos

Por fim, a indústria de equipamentos fisioterapêuticos é outro campo no qual o fisioterapeuta poderá atuar, contribuindo, inclusive, para as inovações na área, já que o profissional trabalhará no desenvolvimento de novos equipamentos e tecnologias que serão usados na fisioterapia.

6. As tecnologias envolvidas na Fisioterapia

Os avanços tecnológicos vêm trazendo benefícios para, praticamente, todas as áreas da saúde, o que inclui a Fisioterapia. Várias tecnologias, como a realidade virtual e a inteligência artificial, além de metodologias baseadas nelas, como a gamificação, têm sido utilizadas em benefício dos pacientes que precisam da ajuda de fisioterapeutas.

Por exemplo, a gamificação utiliza jogos interativos para incentivar a determinação do paciente por meio de sistemas de pontuação e recompensas. Sem o uso desses métodos, os movimentos propostos pelo fisioterapeuta podem se tornar monótonos e desestimulantes; no entanto, com a ajuda deles, a gameterapia torna tudo muito mais interessante e desafiador.

A realidade virtual tem um papel importante nesse cenário, já que, por meio de óculos que simulam cenários imersivos e de luvas e sensores que capturam os movimentos do utilizador, o fisioterapeuta é capaz de tornar o tratamento muito mais agradável e estimulante para o paciente, além de registrar os avanços na sua performance.

A tecnologia também é utilizada nos equipamentos de reabilitação, como os que se valem de impulsos elétricos para o estímulo de músculos em desuso, evitando a atrofia. Outra aplicação para ela é na modernização dos consultórios e clínicas, padronizando processos e melhorando o atendimento.

7. A profissão do fisioterapeuta

O papel do fisioterapeuta vai muito além do tratamento de dores ou reabilitação de lesões. Atualmente, o seu papel é muito mais abrangente, especialmente como parte de equipes multidisciplinares com papéis determinantes na saúde e manutenção da qualidade de vida de pacientes de todas as idades e com diferentes patologias.

Com a mudança de hábitos trazida pela maior preocupação com a manutenção da saúde, a prevenção tem ganhado cada vez mais espaço e, junto dela, o fisioterapeuta ganha importância, fazendo com que as oportunidades na área se ampliem consideravelmente.

A tendência para este mercado é de que haja maior integração com a tecnologia e com outras áreas importantes da saúde, tornando a fisioterapia cada vez mais presente e indispensável para a qualidade de vida das pessoas.

8. Como se preparar para o ingresso no curso de Fisioterapia

Além da rotina de estudos necessária para a realização dos exames seletivos convencionais das universidades, é importante que o estudante dedique algum tempo para conhecer mais detalhadamente as disciplinas presentes na grade curricular do curso, como Biologia, Anatomia e Fisiologia.

Para aumentar as chances de colocação do profissional recém-formado no mercado, é importante que ele tenha em mente a área específica da fisioterapia na qual deseja atuar. Além disso, é fundamental que, durante o período letivo, tenha participado de atividades extracurriculares relacionadas à área escolhida por ele.

Se o profissional estiver disposto a cursar uma pós-graduação ou cursos de extensão, suas chances são ainda mais ampliadas.

9. O que levar em consideração antes de escolher uma instituição de ensino

Na hora de investir em uma graduação, é preciso levar em consideração uma série de aspectos, como o reconhecimento do curso pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), além da avaliação dele em indicadores de qualidade, como o Índice Geral de Cursos (IGC), que avalia a instituição como um todo, e o Conceito Preliminar de Cursos (CPC), que, com base nas notas do Enade, exame realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), avalia cada curso separadamente.

Também é importante analisar a estrutura de laboratórios, a capacitação do corpo docente, além dos diferenciais oferecidos pela instituição, como é o caso da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), considerada pelo MEC a melhor universidade particular de Mato Grosso do Sul.

A UCDB tem mais de 50 anos de tradição e conta com um corpo docente formado por mestres e doutores. Tem mais de 15 mil alunos em seus 35 cursos e oferece a melhor infraestrutura física e tecnológica para seus estudantes.

10. Conclusão

Como você viu ao longo deste post, o curso de Fisioterapia capacita o profissional na prevenção e no tratamento de doenças e lesões relacionadas aos músculos, articulações, ossos e ligamentos. O fisioterapeuta é capaz de integrar equipes multidisciplinares atuantes em diversas áreas, como a ortopedia, gerontologia, ergonomia do trabalho, saúde da mulher, esportes, entre outras. Portanto oferece diversas oportunidades ao profissional fisioterapeuta.

Inspirou-se a considerar a fisioterapia como carreira? Então, entre em contato conosco e saiba como ingressar na UCDB!

Comentários