Lato Sensu ou Stricto Sensu: saiba as diferenças e faça sua escolha!

Lato sensu e stricto sensu: qual desses dois devo fazer?” — essa é uma pergunta bem comum entre quem acabou de se formar e deseja realizar uma pós-graduação. Isso porque, como cada uma das categorias tem cursos específicos e propostas bem distintas, quem não está familiarizado com as características delas muitas vezes fica confuso e sem saber, ao certo, qual é a melhor escolha.

Por essa razão, preparamos um post especial que explica detalhadamente quais os aspectos e as diferenças de cada pós e, que inclusive, traz dicas de como escolher qual delas fazer para ter sucesso profissional. Acompanhe e fique por dentro!

Como é a pós-graduação lato sensu?

A pós-graduação lato sensu é marcada pela dinâmica de capacitação constante dos estudantes para o mercado de trabalho. Isso acontece porque o foco dela é justamente o desenvolvimento de competências, o alinhamento com as demandas, inovações e tendências da categoria profissional da qual você faz parte e o estudo de casos de organizações públicas e privadas que tiveram estratégias — dentro da área em que você se graduou — que foram bem-sucedidas e servem como referência no meio.

Tudo isso, é claro, fora a ampliação do saber teórico e técnico necessário para uma prática diferenciada e mais competente da profissão escolhida. Essa modalidade é dividida em duas alternativas de curso: a especialização e o MBA. A primeira, que tem duração mínima de 360 horas, foca em um segmento específico do seu ramo, permitindo que você tenha um aprendizado aprofundado acerca dele e conheça práticas, técnicas, atividades e materiais que facilitem o seu trabalho e o tornem um especialista no campo.

Já o MBA é um pouco diferente, pois o objetivo dele é potencializar sua capacidade de gerenciamento em departamentos, projetos e serviços de uma empresa. Tudo isso de forma hábil, organizada e com estratégias bem definidas. Ele também tem a mesma duração da especialização. Isto é, mínimo de 360 horas.

E a pós-graduação stricto sensu?

A pós-graduação stricto sensu, por sua vez, é centrada na universidade. Tanto é que essa formação qualifica os estudantes para se tornarem pesquisadores na área em que se graduaram. Justamente por isso, eles se preparam para planejar, conceber e difundir projetos que visam debater e estudar diferentes conteúdos, lançar ou prever tendências de mercado, fazer análises de impactos sociais, acompanhar mudanças culturais na contemporaneidade e, até mesmo, propor mudanças no ramo.

Isso, é claro, de acordo com os critérios científicos e com as exigências acadêmicas para publicação e defesa desse material em congressos, conferências, mostras, simpósios, feiras etc.

Vale comentar que as instituições de ensino costumam estabelecer eixos temáticos e linhas de pesquisa bem específicas para cada área. Nesse caso, o seu projeto — que, futuramente, se tornará uma dissertação ou uma tese — deverá se encaixar dentro do programa de pós-graduação do local para ser devidamente assistido e orientado.

Mas não acaba aí! Além dessa proposta, a pós do tipo stricto sensu traz disciplinas e atividades que o capacitam para se tornar um futuro professor universitário, dando aulas para alunos de graduação. Ou seja, você desenvolve habilidades de comunicação oral e escrita, se aprofunda sobre planejamento pedagógico na academia e aprende sobre a relação entre didática e ensino. Bem interessante, não é?

Inclusive, de acordo com a lei nº 9394/96, a prática da docência nas universidades deve ser realizada por profissionais que tenham, prioritariamente, mestrado e/ou doutorado.

Ah, tem mais: assim como no tópico anterior, essa categoria é dividida em duas opções de cursos. O primeiro é o mestrado — que dura, em média, dois anos —, no qual você definirá o tipo de pesquisa que vai desenvolver e em qual temática vai se aprofundar. Nele, é feita uma dissertação.

O segundo é o doutorado — que dura entre dois e quatro anos —, que é tido como uma fase avançada da formação acadêmica, pois você não só dá continuidade à pesquisa que começou no mestrado, como também a otimiza e incrementa a fim de produzir conhecimento científico. Nele, você elabora uma tese.

Lato sensu e stricto sensu: como fazer a melhor escolha?

Há pouco, mostramos os detalhes e diferenças entre lato sensu e stricto sensu para que você entendesse sobre o que eles abordam e qual é a aplicabilidade do conhecimento obtido em cada um. Desta vez, vamos falar sobre como fazer a melhor escolha entre ambos. Afinal, é totalmente possível que você tenha interesse nas duas modalidades. Por isso, fique atento às nossas dicas!

Avalie o momento certo para cada pós-graduação

Enquanto o mestrado e o doutorado são, usualmente, feitos já em sequência à graduação, o mesmo não é recomendado para a especialização e o MBA. Isso porque o ideal é que você já tenha experiência profissional não só para compartilhar com os seus colegas e professores, mas também para acompanhar as questões do mercado de trabalho que são constantemente levantadas, sugeridas, questionadas e debatidas durante as aulas.

Veja os requisitos e pormenores de cada curso

Outra dica útil é conferir os requisitos e pormenores de cada curso. Tenha em mente que aqueles do tipo stricto sensu contam com edital para processo de seleção de novos alunos, realizando provas, análise do currículo na plataforma Lattes, exame de proficiência em língua estrangeira e avaliação do projeto de pesquisa.

Para completar, as aulas seguem um cronograma mais periódico e mais próximo ao que você tem na graduação, o que acaba exigindo mais tempo disponível e mais dedicação da sua parte. Vale reforçar ainda que a oferta deles é mais pontual, ocorrendo uma vez por ano. Portanto é preciso se planejar para não perder as datas e atrasar o início da pós.

Por outro lado, os do tipo lato sensu costumam exigir, além do diploma de graduação, o seu currículo para efetivação da inscrição. Já as aulas são, frequentemente, em encontros quinzenais, visto que os estudantes são pessoas que estão ativas no mercado e com uma rotina atarefada.

De quebra, ainda é possível encontrar a oferta de especialização e MBA para estudo a distância, o que é um grande diferencial também pela possibilidade de se encaixar nos espaços de sua rotina. Ah, quanto à disponibilidade deles, saiba que é mais tranquilo, uma vez que a matrícula pode ser feita no decorrer do ano, especialmente quando se trata dos cursos EAD.

Deu para ver que não faltam diferenças entre lato sensu e stricto sensu, não é mesmo? Por isso, é importante se informar bem sobre ambos, comparar as características de cada formato e avaliar qual proposta de pós-graduação se encaixa mais com os objetivos que você tem para a sua carreira. Assim, a sua decisão será precisa!

Gostou do nosso artigo? Pois não deixe de compartilhá-lo no Twitter, Facebook, LinkedIn e demais redes sociais! Assim, quem tem dúvida sobre o assunto também pode ficar por dentro das diferenças de ambos os tipos de pós-graduação!

Comentários